segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Bumbum das brasileiras vira obsessão entre as americanas



Não é de hoje que alguns “padrões” de beleza brasileiros viram moda entre as americanas. Há anos a “Brazilian bikini wax” (depilação à brasileira) foi “importada” por elas e ganhou fama no mundo inteiro. A nossa famosa escova progressiva, batizada de “Brazilian blowout”, também faz, há tempos, a cabeça das mulheres que vivem nos Estados Unidos.







De novembro a janeiro, cerca de 318.000 nova iorquinas procuraram o RealSelf site atrás de informações sobre o “Brazilian butt lifts” (bumbum brasileiro empinado), de acordo com o New York Post. Em seguida, aparece Los Angeles com 138.227 buscas, seguida de Miami (108.341) e Atlanta (98.993).





O interesse gira em torno da cirurgia, que injeta gordura da região do abdômen ou parte inferior das costas nas nádegas. “Fitness virou moda. Ter curvas é o novo sexy”, disse à publicação uma paciente, que se submeteu recentemente ao procedimento.






Segundo o Dr. David Shafer, cirurgião especializado na técnica que atende de seis a oito mulheres por semana interessadas em ter o bumbum das brasileiras, “elas não querem mais o visual anoréxico das modelos que aparecem nas revistas”. Mas, para conquistá-lo, é preciso desembolsar de 8.000 a 12.000 dólares. E muitas chegam a associar o procedimento à lipoaspiração, já que a gordura é reaproveitada.





Comentem



segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

pornografia no Brasil

O que você sabe pornografia? O que você sabe sobre pornografia no Brasil? Tenho 5 curiosidades que você provavelmente não sabia.




Idade do público


O público do porno no Brasil começa cedo: temos o maior publico entre 18 e 21 anos do mundo, 43%. Ou seja, quase metade das pessoas no Brasil que assistem pornografia tem entre 18 e 21 anos. Isso é 16% a mais que a média mundial, que soma apenas 27%.

O brasileiro também para de assistir mais cedo, temos o menor público maior de 45 anos. No mundo, 29% do público geral, em média, tem mais de 45 anos. No Brasil, esse número cai para 15%.

Interesses bizarros


Em 2015, tivemos um aumento de 700% em buscas por “Hentai3D”, que é um estilo de desenho animado erótico japones. Tão bizarro quanto, nossas buscas por Pokemon e Scooby Doo aumentaram 157% e 134%, respectivamente. “Mães” e “Madrasta” também figuram entre os termos mais buscados.

Pornografia no feriado






O brasileiro realmente leva a sério o feriado: registramos quedas significativas em acesso quando é carnaval, ou ano-novo. Na noite de ano novo, registramos -58% de acessos. Logo depois vem a noite de Natal (-57%), primeiro dia do ano (-34%), dia de Natal (-28%) e a Sexta-Feira Santa (-17%). O carnaval registra -17%. Assistimos mais pornografia na segunda, menos aos sábados

Contratação


No Brasil, para ser contratado como ator/atriz porno você envia um bom e velho CV, currículo mesmo. Depois, os aprovados fazem outras seleções, que incluem entrevista, questionário e etc. Os homens em média tem entre 30 e 4o anos, são avaliados pelo tamanho do pênis e quantidade de ejaculação – ah, e todos tomam remédio para melhorar o rendimento. Homens se candidatam mais: são 50 currículos deles, para 10 delas.




Problemas sociais


O ambiente da pornografia é extremamente machista, e isso não é de hoje. Desde a origem, há mais de um século, quando ainda era tratada como “erotismo”, as produções nunca eram destinadas as mulheres, mas sim aos homens. Hoje, essa ideia ainda persiste. O Brasil traz bons exemplos disso. Mulheres, no Brasil, representam apenas 33% do público e (pasmem!) ainda estamos 8% acima da média mundial: ou seja, no mundo, mulheres representam apenas 25% do público quando o assunto é pornografia.


As cinco categorias mais pesquisadas – Lesbian (lésbicas), Anal, Teen (adolescentes), Mature (maduros) e Shemale (travesti).





Mulheres, em média, ganham mais do que homens por produção. Mas ainda que isso pareça ser evidencia de que o ambiente é favorável a mulheres, na verdade, traz a tona outro grande problema: estamos em 2017, e a pornografia continua sendo produzida para homens. Essa é uma situação muito próxima de quando algum produtor planeja uma festa e para mulheres é open bar, ou mulheres não pagam a noite toda e etc. A preocupação é “servir homens”, não agradar mulheres. 


Comentem:


sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Sexo duas vezes por semana aumenta vida em até um ano e meio


Fazer sexo duas vezes por semana aumenta vida em até um ano e meio






São apenas quatro letras que mexem com a imaginação, a autoestima, o comportamento e o humor: sexo. E a atividade não faz bem apenas para o corpo e a mente – a expectativa de vida também se beneficia. Quem transa duas vezes por semana pode ganhar até um ano e meio, segundo um estudo inglês.




O Ministério da Saúde brasileiro recomenda que as pessoas façam sexo com frequência, algo considerado tão importante quanto controlar a pressão arterial e estar no peso adequado. O próprio ato ajuda a emagrecer: em uma boa sessão de meia hora, podem-se queimar até 500 calorias.


Por que faz bem a saúde?






Faça sexo regularmente para o bem da sua saúde e de seu(sua) parceira|(o)


Comentem:

Postagens mais visitadas